A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

23.11.05

AGORAFOBIA – O MEDO DE TER MEDO

Imagine-se no meio de um engarrafamento na auto-estrada. O que é que lhe passará pela cabeça? Antes de mais, se estiver com pressa, sentir-se-á tenso e/ou irritado. A possibilidade de não chegar a tempo de cumprir o seu compromisso enervá-lo-á. Se estiver com fome ou sede, poderá passar pelo mesmo tipo de sensações. Mas este estado de nervos não é comparável à ansiedade que um agorafóbico sentirá nas mesmas circunstâncias.

A ansiedade associada a esta perturbação é classificada como antecipatória, já que se baseia no medo de se sentir mal e não poder chegar a um hospital com facilidade. A antecipação da sensação de mal-estar é tão intensa que pode originar um episódio de pânico. É por isso que esta fobia é muito conhecida como o medo de ter medo.

Por ignorância, algumas pessoas reduzem a agorafobia ao medo de multidões. Mas este é apenas um mito. Na verdade, o agorafóbico não tem medo da multidão em si. O que ele teme é que não possa sair do meio dela caso se sinta mal.

Esta é uma perturbação marcada por um estado de ansiedade exacerbada, que aparece sempre que a pessoa se encontra em locais ou situações dos quais seria difícil sair caso se sentisse mal.

A maior parte das pessoas não se preocupa com este tipo de pensamentos. Pelo contrário, um agorafóbico não consegue desvincular-se destas crenças irracionais, o que pode levar a comportamentos de fuga em relação a situações potencialmente ameaçadoras. Por exemplo, uma pessoa que sofra deste tipo de perturbação poderá deixar de frequentar concertos, centros comerciais, etc., limitando cada vez mais a sua qualidade de vida. No limite, estas pessoas só se sentem verdadeiramente bem em casa (de preferência, acompanhadas) ou no seu carro – este acaba por ser visto como um prolongamento do lar por funcionar como um meio rápido para lá chegar, em caso de aflição.

O agravamento da situação condiciona de forma brutal o quotidiano destas pessoas. Actividades simples como ir ao supermercado, ao cabeleireiro ou ao ginásio deixarão de poder ser concretizadas sem acompanhamento pois o agorafóbico tenderá a pensar “E se eu me sentir mal? Quem é que vai lá estar para me ajudar?”.

Este isolamento progressivo faz com que alguns casos de agorafobia se confundam com situações de fobia social. Mas estas perturbações são diferentes. Por exemplo, uma pessoa que sofra de fobia social teme entrar num local público porque receia que todos fiquem a olhar para si. Assim, até pode conseguir frequentar esses espaços, mas esforçar-se-á por passar despercebida. Pelo contrário, o agorafóbico não teme ser avaliado pelas pessoas que frequentam aquele espaço – tem medo de não ter a quem recorrer caso se sinta mal.

Do mesmo modo, estas pessoas podem desenvolver o medo de andar de elevador. Neste caso, a claustrofobia é outra manifestação possível da agorafobia.

Tal como acontece noutras perturbações, os comportamentos fóbicos podem existir em níveis variáveis de pessoa para pessoa, pelo que nem sempre é necessário recorrer à ajuda especializada. Algumas pessoas poderão identificar-se com pequenos indícios das manifestações que descrevi anteriormente, sem que isso implique que possam ser rotuladas de agorafóbicas.

O mais importante passa por identificar quaisquer comportamentos de fuga que estejam a condicionar o seu dia-a-dia. Enfrentar o medo é meio caminho andado para a felicidade!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...