A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

17.4.09

PENSAMENTOS DEPRESSIVOS


Como se sabe, um dos sintomas comummente associados aos transtornos depressivos é a existência continuada de pensamentos negativos. Se aquilo que acontece de um modo geral é uma correlação entre os nossos pensamentos e o nosso humor geral, vale a pena olhar em detalhe para o peso dos pensamentos distorcidos no estado emocional do doente com depressão. Comecemos por identificar algumas dessas distorções:

• TUDO OU NADA – para uma pessoa deprimida (quase) todos os eventos são avaliados de forma extremada. Um acontecimento só pode ocorrer de forma maravilhosa ou de forma terrível, o que implica quase sempre sentimentos de frustração e desilusão. Como a fasquia está tão elevada, qualquer falha ou desvio em relação ao que estava planeado é visto como um insucesso.

• GENERALIZAÇÕES – uma discussão com um amigo pode deixar as suas marcas, condicionando até a imagem que construímos acerca dessa pessoa. Contudo, num estado de depressão é frequente existirem extrapolações da realidade. Para o doente deprimido, aquele acontecimento pode ser suficiente para concluir que aquela pessoa é “detestável”, “egoísta” ou “mal-educada”, que “sempre foi assim” ou, pior, que “todas as pessoas acabam por desiludir-nos”.

• CONCLUSÕES PRECIPITADAS – Como se não bastassem as generalizações, a depressão também pode estar por detrás da descoberta errada de algumas “teorias”. Por exemplo, “se o director da empresa não respondeu ao meu e-mail foi porque alguém sabotou o meu pedido”. Para aquela pessoa, aquela crença irracional toma proporções desmedidas, transformando-se na única alternativa possível.

• ÊNFASE NO NEGATIVO – de um modo geral, para a pessoa que sofre de depressão o “copo” está sempre “meio vazio” porque o foco está sistematicamente colocado sobre o que acontece de mais negativo. As ruminações giram à volta de pequenos detalhes que correram mal, mesmo que haja uma multiplicidade de vitórias a assinalar. Por exemplo, se, durante uma apresentação tudo tiver corrido bem à excepção da iluminação do projector, para a pessoa deprimida o evento terá sido um fracasso.

• REJEIÇÃO DO POSITIVO – para a pessoa deprimida os dados positivos “não contam”. Há (quase) sempre explicações (apenas razoáveis aos seus olhos) que a impedem de saborear as coisas boas. Ao comentário “Tens um emprego estável” seguir-se-á algo do género “Sim, mas nunca se sabe…” ou “Mas podem despedir-me a qualquer momento”.

• COMPARAÇÕES IRREAIS – aos olhos de quem sofre de depressão as suas conquistas e realizações são quase sempre minimizadas e os fracassos maximizados; por oposição, os sucessos das outras pessoas são maximizados e os seus erros e fracassos são minimizados.

• “EU (NÃO) DEVERIA” – pensar sistematicamente no que poderia ou não poderia ter sido feito é um esforço inglório e inútil, que alimenta sobretudo sentimentos de culpa, frustração e ressentimento. Ao pensar/ afirmar “Eu deveria ter ajudado mais a minha mãe enquanto ela esteve doente”, a pessoa deprimida culpabiliza-se, pune-se e alimenta o transtorno depressivo.

• JUSTIFICAÇÕES EMOCIONAIS – como os sentimentos de vergonha e de culpa são os melhores amigos de um transtorno depressivo, não há nada pior do que confiar nos “instintos” para tomar decisões. Assim, não há nada de razoável em comentários como “Eu senti-me mal por não ter ido ao cemitério, então isso significa que foi um erro ter ficado em casa”.

• RÓTULOS – ainda mais graves do que as generalizações, os rótulos são armas de destruição potentíssimas. Quando, perante a reprovação num exame a pessoa deprimida se auto-rotula de “burra”, isso pode ter fortes implicações no processo de tomada de decisão referente à continuidade dos estudos. Um erro ou um insucesso não devem ser elevados a características de personalidade ou falhas de carácter.

• CULPABILIZAÇÃO – para o doente com depressão quase todos os males do mundo poderiam ser atribuídos ao seu comportamento. Se o cônjuge adoecer, é porque ele(a) não soube cuidar dele(a); se o filho reprovar, é devido ao seu desacompanhamento.

Como nenhuma destas distorções surge da noite para o dia, também é preciso tempo para que, em sede de terapia, se possa trabalhar no sentido da reestruturação cognitiva. Os pensamentos distorcidos estão na origem de sentimentos de culpa, ira, ansiedade e vergonha. A reestruturação destes pensamentos conduz à experiência de emoções ajustadas como a tristeza (por oposição à depressão), a pena (por oposição à culpa), o aborrecimento (por oposição à ira), a preocupação (por oposição à ansiedade) ou o desapontamento (por oposição à vergonha).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...