A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

16.4.12

CRIANÇAS DEMASIADO ADULTAS



O António tem pouco mais de 12 anos e é amplamente elogiado pela vizinhança. Gabam-lhe os dotes culinários, o sentido de responsabilidade e a forma carinhosa como cuida dos dois irmãos mais novos. O pai é conhecido pela dependência do álcool e a mãe está demasiado ocupada a tentar trazer algum dinheiro para casa, pelo que o António assumiu muito cedo a responsabilidade de cuidar da família. Aos olhos dos vizinhos, é um miúdo exemplar, que tomou as rédeas da casa na altura devida. Tendo consciência das dificuldades por que a mãe passa, jamais se atreveria a pedir um brinquedo ou outra coisa qualquer para si. Pelo contrário, é ele que está alerta para que as contas da água, da luz ou do gás sejam pagas a tempo de evitar o corte. Não se lhe conhece uma birra.

Há crianças que assumem o papel de pais dos seus pais e/ou de pais dos irmãos mais novos. E ainda que a sua maturidade e o seu sentido de responsabilidade sejam normalmente muito apreciados por quem está à sua volta, a verdade é que não há nada de saudável numa família em que as crianças deixam de ser crianças.

Infelizmente há demasiadas crianças que sentiram desde cedo a necessidade de assumir responsabilidades, preenchendo assim o vazio deixado pelos progenitores. E se é fácil perceber que este mecanismo de defesa apareça nas famílias marcadas pelo alcoolismo ou pelo consumo de substâncias, a verdade é que esta "maturidade à força" existe noutras famílias.

A assunção das responsabilidades que deveriam ser dos adultos pode surgir na sequência de um processo de divórcio, em particular se se tratar de um divórcio destrutivo, marcado por braços-de-ferro entre adultos que se mostram incapazes de colocar os interesses das crianças em primeiro lugar. Mas também pode resultar da ausência de fronteiras entre pais filhos evidenciada, por exemplo, pelo facto de os adultos confiarem aos filhos menores preocupações relacionadas com a sua vida afetiva/ sexual ou com a gestão financeira.

Há uma diferença abismal entre educar as crianças no sentido de estas perceberem que os recursos dos pais são limitados e a partilha detalhada de todas as dificuldades. Assim como há uma fronteira muito nítida entre a perceção, por parte dos filhos, de que os pais discutem (às vezes de forma séria) e o acesso à sua intimidade.

OS FILHOS NÃO PODEM SER
OS CONFIDENTES DOS PAIS.

Esse é um fardo demasiado pesado, a que nenhuma criança ou adolescente deveria ser exposta(o).

Quando um filho cresce sem a possibilidade de ser verdadeiramente criança, há uma tristeza e uma solidão que podem deixar marcas muito profundas. E ainda que numa primeira fase não haja sinais claros desse desamparo (pelo menos aos olhos de quem convive de perto com a criança), há uma probabilidade muito elevada de a vida afetiva do entretanto adulto ser condicionada por estas feridas emocionais.

Não raras vezes, quando estes filhos se tornam pais acabam por também eles responsabilizar as suas crianças de forma precoce, impossibilitando-as de serem crianças em pleno e ignorando os riscos associados. Mais: as relações amorosas que constroem são muitas vezes reproduções deste padrão relacional, isto é, a pessoa acaba por comportar-se como pai/ mãe do parceiro. A preocupação e o medo são constantes, assim como a necessidade de cuidar sem reivindicar colo/ mimo/ cuidados.

Noutros casos é precisamente a partir do momento em que estas crianças chegam à idade adulta e têm oportunidade de construir relações afetivas equilibradas que dão conta da violência a que foram expostas e do estado depressivo em que tantas vezes se encontram.

Os filhos precisam de se sentir seguros, protegidos, e não de assumir o papel de homenzinho ou mulherzinha da casa. Infelizmente, estas são precisamente as expressões que os pais tantas vezes utilizam – “Agora tens de ser o homenzinho/ mulherzinha da casa” – ignorando os danos que provocam às suas crianças.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...