A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

3.6.06

CASA DA MÃE, CASA DO PAI: QUE REGRAS?

Ao contrário do que acontece nas famílias nucleares (primeiros casamentos), é natural que os filhos de pais divorciados tenham que lidar com diferenças entre as regras da casa da mãe e as regras da casa do pai, onde o padrasto e a madrasta também têm uma palavra a dizer. Dada a importância da coerência entre estas regras para o desenvolvimento saudável dos filhos, é fundamental que os pais estabeleçam alguns acordos. Além disso, os pais devem interiorizar que o padrasto e a madrasta podem constituir um recurso importante na monitorização do comportamento das crianças (ou adolescentes), contribuindo para a manutenção das regras. Esta é a forma mais eficaz de evitar atritos entre os dois lares.

Assim, os pais devem procurar manter conversas regulares sobre a educação dos filhos, nomeadamente sobre os limites, sobre o que é aceitável e o que não é aceitável no seu comportamento, bem como sobre a forma de impor a disciplina.

O papel do padrasto e da madrasta passa mais por assegurar o cumprimento das regras definidas pelos progenitores, estar atento ao comportamento da criança (onde anda e o que está a fazer), mais do que representar outra figura parental – isto é ainda mais importante nos primeiros anos da relação e quando os filhos são mais velhos (adolescentes). Apesar disso, os progenitores podem promover reuniões familiares que permitam a participação de todos os adultos envolvidos no processo educativo. A qualidade das relações entre os adultos e os enteados tende a ser superior quando o casal (mãe e padrasto ou pai e madrasta) está de acordo quanto à forma como a criança ou o adolescente deve ser educado.

Apesar da necessidade de incutir na criança (ou adolescente) a ideia de que o padrasto e a madrasta constituem novas figuras a respeitar, o início destas relações deve ser marcado pela empatia e pelo calor familiar. É importante que o novo adulto seja aceite como uma pessoa bem intencionada, para que possa ser respeitado como uma autoridade na vida da criança (ou adolescente).

Quando o segundo casamento ocorre antes de os filhos atingirem a adolescência, o sucesso da relação entre padrastos / madrastas e enteados está mais dependente de uma postura de apoio, no sentido de ajudar a mãe ou o pai a impor os limites, do que de uma postura que se traduza num grande controlo e disciplina sobre a criança.

Quando os filhos são adolescentes, é importante que a autoridade do padrasto ou da madrasta seja reconhecida logo de início, em nome do bem-estar da relação.

Alguns pais sentem sérias dificuldades de comunicação depois do divórcio, o que tem consequências em termos da educação dos filhos. Estas dificuldades são ainda mais evidentes quando os filhos entram na adolescência. De um modo geral, os adolescentes procuram testar os limites, pelo que, se não houver uma comunicação minimamente eficaz entre os progenitores, os filhos procurarão manipulá-los no sentido de conseguir alcançar mais rapidamente os seus objectivos.

Se houver limites muito distintos na casa da mãe e na casa do pai, o adolescente comportar-se-á de acordo com o que lhe der mais jeito no momento, potenciando algumas “chantagens emocionais”. Neste caso, é ainda mais difícil incluir o padrasto ou a madrasta no processo educativo.

A Vera e o Dinis estão casados há quatro anos e vivem com a Mafalda, de quinze anos, fruto do primeiro casamento da Vera. Apesar de o relacionamento entre a Mafalda e o Dinis ser classificado de “bom” por todos os membros da família, o casal começou a sentir algumas dificuldades em conseguir que a Mafalda aceitasse que o Dinis controlasse os seus horários. Como o horário profissional da mãe não permitia que fosse ela a fazer a monitorização do comportamento da Mafalda, esta tarefa ficou a cargo do Dinis. Mas apesar de ter sido a mãe a impor estes horários, a verdade é que a Mafalda raramente os cumpria.

No auge dos desentendimentos, a Mafalda ameaçava ir viver com o pai, o que representava um grande choque emocional para a mãe, Vera. O medo de “perder” a filha sobrepunha-se às regras definidas previamente, ou seja, a chantagem acabava por resultar em favor dos objectivos da Mafalda.

Este “jogo” também estava a prejudicar o relacionamento do casal, já que o Dinis não se sentia ouvido, nem concordava com o procedimento da mulher.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...