A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

9.1.07

FILHOS-SARILHOS

Conheci-os há alguns anos, em contexto clínico. Falavam muito baixinho. Tão baixinho que era frequente pedir-lhes para repetirem certas frases. Tinham vozes de embalar que me confundiam. A antecipação de uma nova consulta inquietava-me porque implicava um esforço acrescido em termos de concentração. No princípio não percebia se aquele tom traduzia a falta de força, o desgaste provocado pelas suas vidas e por aquela relação, ou se se tratava apenas de um casal com um registo muito diferente do habitual. Como se tratava de um par “de longa duração” com muitos percalços vividos, a primeira hipótese foi ganhando peso.

À medida que decorriam as sessões e que, consequentemente, conhecia melhor a sua história – feita (também) de algumas mentiras, sentimentos de incompreensão, perdas, doenças, desgostos – o casal mostrava uma quietude que me abalava. O tom de voz parecia a única coisa que tinham em comum. Estariam demasiado magoados um com o outro? Estaríamos nós – terapeutas – a confundir quietude com depressão? Estaria este casal cansado da vida a dois?

A dado momento do processo terapêutico pensei que os problemas de saúde vividos num passado recente constituíssem o factor destabilizador. Mas ao fim de pouco tempo percebi que não era isso que os incomodava. Nem tão pouco as mágoas deixadas pelas mentiras da juventude. Este casal aprendera a viver com as suas diferenças e encontrara vários pontos de interesse em comum. Gostavam de passear e de viajar como qualquer casal de namorados, sempre que as suas vidas profissionais o permitiam.

O problema estava precisamente aí. Estavam cansados. Não da vida no sentido lato, mas de alguns aspectos das suas vidas. Esperavam mais desta fase da vida. Aquela que, para os outros, é apelidada de “Ninho Vazio”, para eles estava a ser um ninho de problemas. Não esperavam que, nesta idade, ainda tivessem que trabalhar e, muito menos, que tivessem que suportar as (más) escolhas de um dos seus filhos. Estas não representavam apenas um fardo financeiro mas, principalmente, uma fonte de preocupações que os impedia de relaxar.

A clarificação do problema permitiu que o casal aprendesse a comunicar eficazmente e que o motivo dos desentendimentos ficasse definido. Mas nem tudo foram ganhos. Não conseguimos que fossem capazes de enfrentar todas as dificuldades. O medo da mudança, a hipótese de afastarem o filho, ou pura e simplesmente o facto de estarem habituados a estes papéis tê-los-á impedido de questionar todas as suas próprias escolhas. Neste caso, bastou-lhes a funcionalidade.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...