A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     O AMOR E O FACEBOOK     |     A PSICÓLOGA RESPONDE           VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     GOOGLE+     |     PÁGINA INICIAL

INFIDELIDADE FEMININA

Já aqui escrevi sobre os mitos associados à infidelidade. E também já expressei a minha discordância em relação à estereotipagem dos papéis de género, que enfatizam a ideia de que os homens e as mulheres pensam e sentem tudo de modo diametralmente oposto. Hoje decidi desmontar uma crença há muito enraizada: a de que os homens traem mais do que as mulheres.

Ainda há quem defenda que os homens são incapazes de ser monogâmicos e que as mulheres – coitadas – não passam de vítimas nas suas mãos. A própria ficção – a literatura, o cinema ou a televisão – continua a alimentar a ideia de que as mulheres que se envolvem com homens casados são frágeis, dominadas por uma combinação explosiva de fraca auto-estima e dependência emocional. A mulher que é apanhada num caso de traição é quase sempre a amante do marido, e não a mulher casada.

Ora, as estatísticas – e a minha experiência clínica – demonstram exactamente o contrário. Alguns estudos indicam que 45-55% das mulheres casadas e 50-60% dos homens casados têm relações extraconjugais. Numa sondagem levada a cabo nos Estados Unidos 74% dos homens e 68% das mulheres admitiram que seriam capazes de ter um affair se tivessem a certeza de que não seriam apanhados.

Bem sei que as coisas não foram sempre assim e que no tempo dos meus avós a disparidade dos números seria maior. Mas enganam-se aqueles que consideram que nesse tempo não havia infidelidade feminina!

A infidelidade – masculina ou feminina – depende, também, da oportunidade, pelo que é importante considerar que a emancipação da mulher potenciou o contacto com pessoas do sexo oposto, favoreceu o equilíbrio em termos do poder conjugal e minimizou a dependência em relação ao marido. Mas as donas de casa também têm affairs. E tê-los-iam há trinta ou quarenta anos atrás, ainda que poucos suspeitassem.

Quanto às razões subjacentes à infidelidade: de um modo geral (cada caso contém as suas próprias especificidades), as pessoas traem o cônjuge pelas mesmas razões por que se separam, isto é, porque as suas necessidades afectivas não estão a ser preenchidas pela relação “oficial”. Em muitos casos, o que está em causa é a ligação emocional.

Mas o peso do “pecado” também já não é o mesmo e o sexo pelo sexo também existe – nos dois géneros, claro.

Há diferenças de género, sim, na forma como homens e mulheres lidam com a revelação de que foram traídos. Os homens tendem a isolar-se mais, pelo que apresentam maior resistência a pedir ajuda externa.

Folhetim*
Se acaso me quiseres
Sou dessas mulheres
Que só dizem sim
Por uma coisa à toa
Uma noitada boa
Um cinema, um botequim
 
E, se tiveres renda
Aceito uma prenda
Qualquer coisa assim
Como uma pedra falsa
Um sonho de valsa
Ou um corte de cetim
 
E eu te farei as vontades
Direi meias verdades
Sempre à meia luz
E te farei, vaidoso, supor
Que é o maior e que me possuis
 
Mas na manhã seguinte
Não conta até vinte
Te afasta de mim
Pois já não vales nada
És página virada
Descartada do meu folhetim
 
*Chico Buarque, Ópera do Malandro