A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

15.5.08

QUANDO O PAI OU A MÃE SOFRE DE DEPRESSÃO: O QUE ACONTECE AOS FILHOS?

O nascimento do primeiro filho acarreta quase sempre mudanças drásticas na forma de ver o mundo. Fica-se mais atento, mais alerta, mais responsável e… com mais medo. Medo de falhar, medo de não estar à altura, medo de não conseguir corresponder às necessidades daquele ser absolutamente dependente. Não raras vezes, assumir o papel parental também implica mais cuidados com a condução e com a saúde: os pais “de primeira viagem” são invadidos por pensamentos do tipo “Agora não posso pensar só em mim…” ou “E se me acontecer alguma coisa?”. Tomam consciência de que a sua saúde e bem-estar são essenciais ao bem-estar e estabilidade das suas crianças.

A depressão é uma doença que pode ser muito incapacitante – impedindo até a tomada de decisões importantes. Quando a apatia e o desinteresse se aliam à tristeza e ao isolamento, é praticamente inevitável que daí resultem consequências negativas para todos os membros da família, inclusive os filhos. E mesmo que o outro progenitor se esforce por manter a normalidade familiar, a gestão da situação está longe de ser fácil.

Como o doente deprimido se sente muitas vezes “esgotado”, pode não haver energia para mimar e cuidar dos filhos como antes. Consequentemente, as crianças podem sentir-se abandonadas ou desvalorizadas por uma das pessoas em quem mais confiavam. É expectável que se sintam confusas, assustadas, especialmente se os adultos tentarem protegê-las, evitando abordar o assunto. Perante as alterações de comportamento do progenitor deprimido, é natural que surjam dúvidas. Ora, essas interrogações devem ser alvo de atenção e é importante que se procure dar respostas ajustadas à idade da criança – é preciso explicar-lhes que o pai ou a mãe não deixaram de gostar dela, que está doente e que vai voltar a ficar bem porque está a receber tratamento. As crianças aprendem, sobretudo, por modelagem. O facto de saberem que o problema está a ser encarado por alguém que vai fazer com que o progenitor recupere o bem-estar tranquiliza-as.

Nesta fase, todos os adultos que rodeiam a criança têm um papel importante na promoção do seu bem-estar. Não é preciso nenhum gesto extraordinário. É preciso, isso sim, que, mais do que nunca, a criança se sinta amada, querida, cuidada. E qualquer pessoa o pode demonstrar: a professora, os amigos, os avós, a família alargada. Como a criança se sente mais carente, é importante encorajá-la a falar sobre os seus sentimentos e questioná-la acerca da ajuda de que precisa. A criança pode não ser capaz de dar um nome aos seus sentimentos, pelo que pode ser importante ajudá-la a identificar esses sentimentos. Além disso, é importante validar essas emoções, ou seja, explicar-lhe que não há qualquer problema em sentir-se assim. Finalmente, é fundamental excluir qualquer possibilidade de auto-culpabilização, explicando de forma clara que o facto de o progenitor estar doente não é por culpa da criança e que a recuperação não depende de si. Escusado será dizer que deve evitar-se quaisquer comentários que possam alimentar a responsabilidade da criança (por exemplo, “Deves portar-te bem para ajudar o pai/ a mãe a ficar bom/ boa”).

Ao perceber que não está sozinha e que há outros adultos a quem pode recorrer, a criança tenderá a sentir-se mais segura e protegida.

Como as crianças podem demonstrar o seu mal-estar de forma atípica, é na escola que tantas vezes se manifesta o desconforto e a instabilidade geradas pela depressão de um dos progenitores: os professores “queixam-se” porque as crianças não conseguem estar sentadas, prestar atenção ou simplesmente controlar-se. Nalguns casos, os pais queixam-se dessa instabilidade, ignorando que a criança possa estar a reagir à depressão de um deles. A alteração no comportamento das crianças pode funcionar precisamente como ponto de partida para o diagnóstico de uma situação que estaria a ser desvalorizada pelos adultos. O próprio progenitor pode não ter percebido antes que estaria a passar por uma depressão.

Em casos extremos, os pais podem tomar a decisão de transferir a criança para outra escola ou colégio, recusando recentrar a questão. Têm dificuldade em reconhecer que não estão perante um caso de mau comportamento, mas antes perante uma chamada de atenção para um problema anterior.

As crianças filhas de pais deprimidos tendem a sentir-se menos felizes e a isolar-se mais do que as outras. Estão mais expostas, elas mesmas, a uma situação de depressão. No caso dos bebés, as alterações manifestam-se através da dificuldade em acalmar, resistência à alimentação e dificuldade em adormecer. As crianças pequenas exteriorizam muitas vezes o mal-estar tornando-se desobedientes, desafiadoras e recusando a autoridade dos pais. No caso dos adolescentes, as repercussões estende-se muitas vezes ao consumo de substâncias e à adopção de comportamentos anti-sociais.

Enquanto o progenitor não pedir ajuda e tratar a depressão, dificilmente haverá alterações positivas no comportamento dos filhos. Pelo contrário, como não sabe como chamar a atenção dos adultos de outra forma, a criança ou o adolescente tenderá a ser rotulada(o) de problemática(o).


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...