A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

24.9.08

PROBLEMAS COM A AUTO-IMAGEM


Quando os meios de comunicação começaram a falar sobre a anorexia, foi difícil explicar o problema à população de uma forma simples. Afinal, para muitos era difícil acreditar que alguém pudesse sofrer de uma doença que implicava “não comer”. Para simplificar o conceito, ouviu-se especialistas e doentes falar numa espécie de espelho deformador, isto é, para a anoréctica, a imagem que o espelho transmite não é a mesma que para uma pessoa comum. Por isso, a anoréctica tem seríssimas dificuldades em reconhecer que está magra demais.

Do mesmo modo que as doentes de anorexia vêem gorduras onde já só existe pele e osso, algumas pessoas desenvolvem problemas associados à auto-imagem que as leva a ver deformações onde não existem. Qualquer pessoa será capaz de identificar a parte do corpo de que menos gosta: alguns detestarão o facto de terem nascido com um nariz demasiado grande; outros abominam o cabelo encarapinhado; e há quem viva desagradado com um sinal no meio da testa! Mas a perturbação de que hoje falo é muito diferente do simples desagrado.

De facto, para uma parte da população, uma determinada imperfeição pode passar a tomar conta de todos os pensamentos, acarretando grandes níveis de ansiedade e transformando-se num transtorno obsessivo. Nalguns casos, essa obsessão nem tem uma correspondência real: a pessoa convence-se de que uma parte do seu corpo é anormalmente grande, ou pequena, ou curva, ou outra coisa qualquer e essa percepção é imune aos comentários daqueles que a rodeiam. Do mesmo modo que um hipocondríaco se convence de que padece de uma série de doenças, ainda que os exames não suportem essas convicções, esta perturbação implica uma adulteração da realidade.

O problema não está, portanto, relacionado com a simples vaidade, ainda que a pessoa afectada possa passar boa parte do tempo a ver-se ao espelho, a tentar disfarçar a imperfeição ou à procura de soluções que podem incluir a cirurgia plástica. Nalguns casos, é possível verificar a gravidade da obsessão e a ansiedade que lhe está associada porque o doente se fixa numa imperfeição irreal, desvalorizando outro defeito físico bastante mais visível aos olhos dos outros.

Sónia, 26 anos, é obcecada pela eliminação da celulite nas pernas e, por isso, exagera na prática de exercício físico e no recurso aos cremes adelgaçantes. Além disso, há anos que não usa saias ou calções, apesar de todos reconhecerem que está em óptima forma. Curiosamente, não manifesta qualquer incómodo em relação a uma imperfeição que salta à vista de todos: os dentes, demasiado encavalitados, e que facilmente seriam alinhados através da Odontologia.

As razões por detrás desta perturbação podem ser difíceis de identificar. O problema pode ter uma componente genética, mas também existe a possibilidade de existir influência parental ou outras formas de ansiedade associadas. As consequências podem ser muito graves, já que, em casos extremos, a obsessão pode levar ao suicídio. Trata-se de um problema que afecta todas as áreas da vida – o trabalho, os estudos e as relações sociais e familiares.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...