A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

28.9.09

PSICOLOGIA DO CHORO


Ainda que o choro possa ser uma manifestação de uma emoção positiva - já todos chorámos de alegria -, continua a estar associado à exteriorização de emoções negativas. Ver alguém chorar indica-nos quase sempre que aquela pessoa está triste e isso pode deixar-nos vulneráveis. De facto, nem todas as pessoas se sentem capazes de lidar com a tristeza alheia. Paralelamente, há muitas pessoas para quem o choro é um sinal de fraqueza, pelo que o contêm até ao limite.



Em Psicologia o choro é, sobretudo, a oportunidade para exteriorizar sem constrangimentos emoções tão vastas como a tristeza, a solidão, o desespero ou o desamparo. Mas o choro também pode ser terapêutico. A maior parte das pessoas já experimentou uma sensação de alívio depois de uma "crise" de choro - como se o episódio nos ajudasse a ver as coisas de uma perspectiva diferente. Mas isto nem sempre acontece, pelo que é legítimo questionar-se se existem choros “bons” e choros “maus”.



Na verdade, o efeito terapêutico do choro depende das circunstâncias em que acontece, particularmente da existência de alguém capaz de prover o amparo necessário. Perante os transtornos depressivos, por exemplo, a disponibilidade de familiares e amigos para confortar o paciente pode ser um apoio importante. Como o é a aliança terapêutica criada com um profissional de saúde mental. Nos transtornos de ansiedade o efeito positivo do choro pode ficar comprometido.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...