A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

25.8.10

LUTO E DEPRESSÃO

De vez em quando sou confrontada com pedidos de ajuda relacionados com a dificuldade em lidar com a morte de alguém próximo. Estes pedidos são mais frequentes entre familiares e amigos de pessoas jovens que morreram subitamente. A perda de alguém de quem gostamos é obviamente devastadora e quando acontece de forma inesperada pode gerar muitas dúvidas e “ses”. Não raras vezes o pedido de ajuda vem acompanhado de interrogações acerca da possibilidade de recurso à medicação antidepressiva, enquanto facilitadora da gestão da dor.

Tenho muitas dúvidas a respeito do uso de antidepressivos nestas circunstâncias, já que, ainda que a perda física de alguém seja motivo mais do que suficiente para que nos sintamos desorientados, a tristeza e o desamparo fazem parte do luto e não indicam a presença de um transtorno depressivo. Não há nada de anormal no facto de alguém passar muito tempo a chorar a propósito da morte de alguém próximo nem esta reacção pode ser vista como um sinal de perturbação emocional.

Há muitas formas de lidar com o luto e os estados emocionais podem variar entre:
  • Negação;
  • Tristeza;
  • Raiva;
  • Confusão;
  • Desespero;
  • Culpa.

Não há propriamente uma sequência nem uma combinação mais ou menos ajustada de emoções. Cada pessoa pode, em momentos diferentes, experimentar todos estes estados ou apenas alguns. Além disso, há algumas reacções físicas que podem resultar do processo de luto (e que também são “normais”):
  • Alterações do sono;
  • Alterações do apetite;
  • Perda de energia;
  • Dores no corpo;
  • Enfraquecimento do sistema imunitário.

Nalguns casos a pessoa enlutada depara-se com pensamentos ruminantes que a levam a fixar-se no que poderia ter feito para evitar aquela morte. São normalmente pensamentos irracionais que contribuem para o agravamento da dor e que podem ser geridos em contexto terapêutico.

Mas o facto de o luto ser um processo doloroso, às vezes tortuoso, não significa que leve sempre à depressão. Na verdade, só uma pequena percentagem das pessoas enlutadas entra em depressão.

Aquilo que distingue o luto de um estado depressivo é o que acontece ao longo do tempo, e não o que acontece imediatamente após a perda. Aquilo que se espera é que ao longo do primeiro ano depois da morte de alguém próximo cada pessoa possa experimentar uma redução gradual da intensidade do desespero e da tristeza. Mais rápida ou mais lentamente, a pessoa vai regressando à sua normalidade, retomando os compromissos profissionais, o convívio com amigos e todos os outros hábitos.

Mas há algumas pessoas que, mesmo ao fim de um ano, permanecem fixadas no sofrimento e na tristeza, incapazes de retomar os seus hábitos e compromissos. Entre elas estão muitas vezes pessoas com histórico de depressão, mas também há quem nunca tenha passado por isso. Estas são pessoas que, claramente, beneficiarão de uma intervenção multidisciplinar, que inclua a medicação antidepressiva e a Psicoterapia. Infelizmente, quando a depressão não é tratada pode surgir ideação suicida e a crença irracional de que o suicídio é a forma de voltar a estar com a pessoa que partiu.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...