A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

23.2.11

ANSIEDADE NAS CRIANÇAS

Associamos a infância à tranquilidade e à inexistência de problemas sérios, pelo que nos é difícil aceitar que logo no início da vida possam surgir dificuldades relacionadas com transtornos ansiosos. Mas a verdade é que todos os dias chegam aos gabinetes de Psicologia crianças e jovens com sintomatologia ansiosa.

Quando falamos em ansiedade nas crianças falamos de vários tipos de transtornos:
  • Ansiedade de separação (medo de estar longe dos pais);
  • Recusa em ir à escola;
  • Ansiedade social;
  • Perturbação obsessivo-compulsiva;
  • Mutismo selectivo (incapacidade de falar em certos contextos sociais);
  • Perturbação de pânico.

Os sintomas podem variar de criança para criança mas nos casos mais comuns a criança tem medo de:
  • Dormir sozinha;
  • Ir sozinha a algum lado;
  • Realizar qualquer actividade nova;
  • Falhar;
  • Ser raptada;
  • Alguém entrar na casa da família.

As razões por detrás desta ansiedade também têm origem diversa mas é possível destacar algumas:
  • A crise financeira/ desemprego dos pais pode alarmar a criança;
  • A violência propagandeada na televisão;
  • A superprotecção dos pais, que impede, por exemplo, que a criança brinque fora de casa;
  • Predisposição genética;
  • Exigência/ pressão académica.

Apesar de nalguns destes casos ser mesmo necessária a intervenção psicoterapêutica, há passos que os pais podem dar no sentido de ajudar as suas crianças:
  • Aceitar que a única via para que a criança ultrapasse estas dificuldades é enfrentando o problema. Se a criança insiste em dormir na cama dos pais, acompanhe-a até ao próprio quarto e diga-lhe que vai ficar tudo bem e que não há por que ter medo. Ler uma história a meio da noite pode ser penoso, mas ajudá-lo-á a recuperar o sono.
  • As crianças devem ser encorajadas a participar nas actividades que habitualmente provocam ansiedade. Aos pais compete ajudá-las a deter-se nos aspectos positivos da actividade, dar-lhes ânimo, educa-las para o optimismo.
  • Criar tarefas que fomentem a sensação de autonomia da criança ajudá-la-á a ultrapassar estas dificuldades. Refiro-me a atribuir-lhes alguns afazeres dentro de casa, pedir a sua ajuda nos cuidados prestados aos irmãos mais novos ou até participar numa acção de voluntariado.
  • As crianças precisam de testemunhos honestos e apreciam que os pais lhes contem as suas próprias experiências. Quando os pais expõem os seus medos enquanto crianças e a forma como os ultrapassaram, estão a ajudar os filhos a acreditar que é possível vencer os seus.
  • A prática regular de exercício físico é eficaz na redução dos níveis de ansiedade. Substituir a televisão e o resto da electrónica por actividades desportivas ajudará a combater o problema.
  • Se estes passos não forem eficazes, é fundamental pedir ajuda psicológica e, nalguns casos, aceitar a hipótese de a criança ter de ser medicada.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...