A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

8.2.12

AMOR – PERGUNTAS FREQUENTES (PARTE 2)



O “best of” das perguntas com que sou frequentemente confrontada continua:

QUAIS SÃO AS MELHORES DICAS PARA MANTER A PAIXÃO ACESA?

Não são só as revistas cor de rosa que alimentam a ideia de que devemos fugir da rotina e fazer o diabo a 4 para manter a chama na relação amorosa – são os filmes de Hollywood, as séries de televisão que consumimos avidamente e todos os romances que lemos e que alimentam a crença (irracional) de que é possível viver uma história de amor sistematicamente com o coração aos pulos e falta de ar. O problema é que a VIDA REAL é muito diferente das histórias de ficção. Nesse sentido, há muitas mulheres que se frustram porque os companheiros não fazem tantas surpresas românticas quanto os galãs da televisão; e muitos homens que desanimam perante o facto de as parceiras não estarem sempre prontas para a intimidade sexual. Refiro-me, claro, às pessoas menos inteligentes do ponto de vista emocional, já que os casais felizes sabem exatamente o que é que têm de fazer para manter os níveis de satisfação conjugal.

NÃO compram flores e presentes todos os dias;

NÃO fazem declarações de amor a toda a hora;

NÃO inventam posições sexuais;

NÃO fingem.

Pode ser difícil de compreender como é que as tarefas mais mundanas como aquelas que estão associadas à lida da casa podem estar associadas à satisfação conjugal e à satisfação sexual em particular. Se eu tivesse de dar apenas um conselho aos casais que me procuram, dir-lhes-ia

É preciso estar “lá” quando o seu cônjuge precisa de si.

E isso implica:

Prestar MUITA atenção ao que o companheiro diz.

Mostrar de forma CLARA que ele(a) é importante – não é preciso grandes gestos românticos, mas é preciso dar aquilo que sabemos que o outro vai valorizar.

Estar disponível.

Confortar quando a pessoa de quem gostamos se sente nervosa ou insegura – principalmente se essa insegurança estiver relacionada com a própria relação.

Partilhar o melhor e o pior de nós e, assim, construir uma relação baseada na CONFIANÇA.

Mimar – usar e abusar dos gestos de afeto.

QUAIS SÃO OS SINAIS DE QUE UMA RELAÇÃO CORRE PERIGO?

Uma das constatações de quem já passou por uma crise conjugal – com ou sem sucesso na recuperação da relação – é a de que os sinais estavam todos “lá”. Por algum motivo, muitas vezes escolhemos ignorá-los e seguir em frente. Mais cedo ou mais tarde, a confrontação com os problemas acontece (quase de sempre de forma dramática).

Os sinais são simples mas não necessariamente claros. O que quero dizer é que quando há insatisfação ou problemas sérios para resolver isso pode não equivaler a discussões intensas ou ameaças de rutura. E é aqui que tantas vezes falhamos – porque desvalorizamos as queixas da pessoa amada, porque nos mantemos na nossa zona de conforto e recusamos mudar, recusamos atentar às necessidades do companheiro.

Quando pelo menos um dos membros do casal desiste de alimentar a sua relação, desistindo de fazer o que está ao seu alcance para agradar ao companheiro, está aberta a janela para que a distância entre os cônjuges cresça e, claro, surja espaço para o aparecimento de outra pessoa. E mesmo que a relação se deteriore sem que haja infidelidade (na maior parte das vezes não há), há um sinal que é evidente: a diminuição clara (ou o desaparecimento) dos gestos de afeto. Os casais felizes tocam-se (muito) e fazem-no com naturalidade nas mais diversas circunstâncias. Pelo contrário, os casais com problemas reservam o toque para a intimidade sexual… enquanto houver intimidade sexual.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...