A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

15.3.12

SER DIAGNOSTICADO COM PERTURBAÇÃO BIPOLAR



Tenho-me referido algumas vezes ao estigma associado às perturbações do foro mental e às consequências que daí resultam mas hoje escolhi focar a atenção numa perturbação que é cada vez mais referida nos meios de comunicação –até em função do número cada vez maior de figuras públicas a quem é atribuído o diagnóstico – mas que está longe de ser compreendida. Antes de mais, importa referir que esta é uma perturbação que origina marcadas oscilações de humor e que implica que o paciente vivencie dois tipos de picos – DEPRESSÃO E MANIA.

Nas fases de DEPRESSÃO o paciente pode sentir:

Tristeza, desespero, ideação suicida, culpa, problemas do sono, problemas de apetite, fatiga, desinteresse pelas atividades do dia-a-dia, dificuldades de concentração, irritabilidade, dor sem causa definida.

As fases de MANIA são caracterizadas por:

Euforia, otimismo extremo e irrealista, discurso acelerado, pensamentos em catadupa, comportamento agressivo, agitação, atividade física extrema, comportamentos de risco, gastos excessivos, aumento do desejo sexual, diminuição da necessidade de sono, incapacidade de manter a concentração, consumo de drogas ou álcool.

Quer nas fases de depressão, quer nas fases de mania, a presença destes sintomas é responsável pelo empobrecimento do desempenho escolar ou profissional. Em paralelo, há quase sempre deterioração das relações afetivas, mesmo no que diz respeito aos familiares mais próximos.

Mas se é verdade que é muito difícil lidar com esta sintomatologia sem haver um diagnóstico definido, não é menos verdade que a maior parte destes pacientes enfrenta uma dificuldade acrescida no momento em que o seu problema passa a ter um nome. Não é fácil lidar com um rótulo como este e para muitos doentes a primeira reação é a negação.

“Bipolar, eu? Nem pensar! Eu não sou maluco(a)”.

Quando somos confrontados com situações que gerem muito sofrimento, é usual desenvolvermos mecanismos de defesa que baixem a nossa ansiedade e a negação é um desses mecanismos. O problema é que da negação resulta invariavelmente a recusa da toma de medicamentos que são cruciais para que o paciente possa manter-se estável, bem como a rejeição da ajuda psicoterapêutica.

Para quem está de fora, pode parecer fácil. Afinal, é óbvio o sofrimento por que estes pacientes passam, assim como são óbvios os benefícios que resultam de uma resposta ajustada ao problema. Para quem nunca foi confrontado com este rótulo é fácil pensar “Mais vale saber que é bipolar porque, pelo menos, assim já pode receber o tratamento adequado”. Mas ninguém deseja ser confrontado com um rótulo que continua envolto em tanto estigma. E ainda que esta não seja uma doença contagiosa, há e continuará a haver quem olhe de lado para pessoas diagnosticadas com perturbação bipolar.

Trabalhar com o paciente no sentido de mostrar que o diagnóstico não é uma condenação é o caminho para uma vida mais estável. Sim, é verdade que a perturbação bipolar tem um carácter mais crónico do que a maior parte dos casos de depressão. Mas também é verdade que os riscos associados à recusa de tratamento são muitos e fazem com que a negação não compense.

Felizmente, depois do choque inicial,
a maior parte dos pacientes acaba por sentir-se aliviado.

Afinal, boa parte dos comportamentos que até aí pareciam ilógicos e geravam um imenso transtorno em termos sociais e familiares têm agora não apenas uma causa definida como uma resposta ajustada. Há algo que pode ser feito para controlar os sintomas e isso gera alívio.

É também importante trabalhar com as famílias destes pacientes, “ajudando-as a ajudar” quem recebe o diagnóstico. É fundamental que os familiares e os amigos estejam lá para apoiar em vez de julgar, para reafirmar tantas vezes quanto for necessário:

“Tu és a mesma pessoa de sempre
mas agora nós sabemos com que
problema estamos a lidar
e gostamos de ti”.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...