A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

19.12.13

COMO É QUE OS PAIS PODEM AJUDAR OS FILHOS A GERIR EMOÇÕES?


Se há uma coisa que eu tenho aprendido com o meu trabalho, é que a maior parte dos pais e mães de hoje dão o seu melhor para que os filhos sejam felizes. Fazem do papel parental a sua prioridade (às vezes esquecendo-se um bocadinho de si mesmos) e batalham para que os filhos se sintam seguros do ponto de vista emocional. É claro que cometem erros. Todos os pais cometem erros diariamente. Porque às vezes salta a tampa. Porque às vezes a paciência se esgota. Porque no meio da azáfama é muito fácil desvalorizar um pedido de atenção que surja sob a forma do milionésimo “Oh mãaaaaaaaaaaaaaaaaae!” do dia.

Entre birras, trabalhos de casa, zangas entre irmãos, mudas de fraldas e resistência na hora de ir dormir, nem sempre é fácil encontrar tempo para escutar as crianças, para conhecer as suas “preocupações”, aquilo que as enraivece. E às vezes há angústias que se transformam em grandes dramas, há silêncios que se transformam em preocupações mais sérias, há fossos que se instalam e que potenciam o afastamento. Depois chega a adolescência e, se não houver raízes sólidas no que diga respeito à conexão e à intimidade emocional, é relativamente fácil que os pais comecem a desesperar por, a páginas tantas, não conseguirem comunicar com os filhos.

A verdade é que ninguém consegue estar sempre “lá”. Ninguém consegue ser um super pai ou uma super mãe sempre presente, sempre a par de tudo. Mas há alguns hábitos que todos os pais e mães podem assumir e que podem ajudar a criar laços mais seguros (e crianças emocionalmente mais inteligentes). Aos pais não compete serem psicólogos dos filhos. Mas compete serem o porto seguro. E isso consegue-se com boas práticas:

Preste atenção às emoções dos seus filhos. Mas preste meeeesmo atenção. Há situações em que o seu filho está a chorar porque gostaria de trazer para casa três homens-aranha e você teve de dizer não. Nesse caso, você sabe que ele está a fazer uma birra. Mas há outras situações em que você assume que ele está a fazer birra e corre riscos.

Reconheça a manifestação de uma emoção como o momento ideal para criar intimidade e fazer aprendizagens. Quando você “perde” tempo a conversar com o seu filho (a posteriori) sobre a birra que ele fez no meio do toys-r-us, está a ajudá-lo a discernir sobre o que é ajustado e o que não é ajustado. Mas também está a criar laços. Porque mostra que é capaz de ouvir as motivações da criança. Porque mostra como é que você se sente naquela situação. Porque mostra, através do exemplo, que é a conversar que as pessoas que gostam umas das outras se entendem.

Ouça, mostre a sua solidariedade, valide os sentimentos da criança. Você não pode ser insensível ao ponto de achar (e dizer) coisas como “Isso não é normal!”. É óbvio que é normal que o seu filho queira muito ter 3 homens-aranha. Assim como é normal que você queira ter um Porsche. Ele tem o direito de se sentir injustiçado. E você tem o dever de validar esse sentimento. Depois também tem o dever de lhe dizer que há muitas formas de se expressar uma emoção.

Ajude a criança a dar um nome aos seus sentimentos com as suas próprias palavras. Você não está à espera que o seu filho de 4 anos lhe diga que se sentiu frustrado, pois não? Ele só sabe que a situação foi desagradável e geriu-a como pôde. O seu papel é ajudá-lo a dar um nome a cada sentimento e explicar que uma emoção pode dar origem a comportamentos muito diferentes.


Trace limites. Você é (tem de ser) uma figura de autoridade. Quando está a ajudar o seu filho a resolver problemas ou a lidar com situações desagradáveis, tem a responsabilidade de o ajudar a perceber até onde é que ele está autorizado a ir. Tem o dever de lhe explicar que os comportamentos implicam consequências. Tem a obrigação de impor regras.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...