A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

9.9.14

SINAIS DE SEPARAÇÃO


O que é que determina que um casamento ou uma relação amorosa esteja a caminho do fim? Há sinais claros? Como é que se distingue os problemas normais por que todos os casais passam das crises mais sérias que podem revelar-se fatais?


Se há coisa que eu aprendi com todos os casais que me pedem ajuda é que, salvo honrosas exceções, de um modo geral, os problemas começaram muito antes deste passo. Muitas vezes a insatisfação dura anos, os sinais de alerta são ignorados e a terapia surge como último recurso já depois de um dos membros do casal ter falado em divórcio. Ouço inúmeras vezes:
A verdade é que quando o mais-que-tudo se queixa, numa tentativa de mostrar aquilo que o entristece (ou aquilo que o enfurece), nem sempre é fácil assumir uma postura de acolhimento do tipo “Tu és a pessoa mais importante da minha vida e mereces toda a minha atenção e disponibilidade. Entre fraldas, contas para pagar, solicitações profissionais, telefonemas da mãe e passeios do cão, nem sempre é fácil “estar lá” para a pessoa amada. O problema é que quando um não está lá, o outro começa a distanciar-se. As queixas vão sendo atiradas para debaixo do tapete até ao dia em que um se farte.

Mas é possível evitar que a distância se torne fatal. Para isso é importante estar atento aos sinais de perigo.
Pelo menos um dos membros do casal…

… queixa-se de “estar sempre a ser criticado”.
… tem dificuldade em contar ao outro aquilo que o incomoda (dentro ou fora da relação). E quando o faz, arrepende-se (geralmente porque não se sente devidamente amparado).
… põe SEMPRE os filhos à frente do casamento. O cônjuge sente que é pouco importante.
… não gosta dos sogros ou da família alargada do cônjuge e passa a fazer programas à parte.
… mostra fraco desejo sexual.
… culpa o cônjuge pelo seu mal-estar.

Qual é a melhor forma de dar a volta? Assumir a responsabilidade e aceitar que, para que a relação continue a dar certo, é fundamental que a pessoa que está ao nosso lado se sinta ouvida, acarinhada e admirada. Se isso não estiver a acontecer, é preferível pedir ajuda. Todos os casais têm problemas (mesmo aqueles que parecem perfeitos) mas isso não deve servir de desculpa para que as dificuldades sejam ignoradas.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...