A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

9.5.07

FICAR EM CASA COM AS CRIANÇAS: ESCOLHA OU LUXO?


Há algum tempo tive oportunidade de escrever aqui sobre os modelos de organização familiar. Relativamente ao modelo patriarcal, referi:

O modelo patriarcal é caracterizado pela divisão rígida dos papéis. Nestas famílias o homem é responsável por garantir o sustento financeiro e a mulher desempenha as funções relacionadas com a lida da casa e com os cuidados prestados aos filhos. Este formato implica quase sempre desequilíbrios em termos do poder. Por exemplo, apesar de a mãe passar mais tempo com os filhos, nem sempre é vista como uma figura de autoridade. Pelo contrário, as decisões mais importantes passam quase sempre pelo pai. A taxa de divórcio é muito baixa nestas famílias devido à dependência financeira da mulher.

Em Portugal, esta alternativa não está tão presente como nalguns países da Europa ou da América. A generalidade dos pais acaba por formar casais de dupla carreira, ou seja, em que ambos trabalham (dentro e fora de casa). Esta evidência não está relacionada com a progressão nos estudos nem tão pouco com o facto de sermos um povo mais moderno do que os outros.

Somos, isso sim, um povo com fraquíssimo poder de compra, pelo que, a generalidade das famílias acaba por não ter muitas opções. A ideia de que um dos progenitores possa ficar em casa durante os primeiros anos de vida das crianças agradaria a uma boa parte dos casais. Sim, ao contrário do que se possa pensar, esta não é uma decisão que caiba à mãe, mas ao casal.

Machismos e ideias feministas à parte, muitos pais e mães gostariam de poder acompanhar o crescimento dos seus filhos de forma diferente. E como nem todos podem contar com a ajuda preciosa dos avós, as crianças são muitas vezes “depositadas” em infantários, a contra-gosto dos pais.

Por isso, em Portugal, ficar com as crianças em casa acaba por não ser verdadeiramente uma alternativa. É cada vez mais um luxo a que apenas uma pequena fatia da população pode aceder.

Não defendo o modelo tradicional como o mais eficaz ou como o mais adequado à educação das crianças. Mas acredito que a qualidade de vida das famílias portuguesas seria significativamente superior se cada casal pudesse fazer as suas escolhas baseado numa negociação franca de todas as alternativas.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...