A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

28.4.10

CUIDAR DE FAMILIARES COM ALZHEIMER E OUTRAS FORMAS DE DEMÊNCIA

À medida que a esperança média de vida aumenta, surgem novas preocupações com os cuidados que, inevitavelmente, têm de ser prestados aos familiares mais idosos e dependentes. Nalguns casos, a institucionalização em lares é a única alternativa, mas muitas pessoas têm demonstrado a vontade de cuidar destes familiares mantendo-os no conforto personalizado do seu lar. Como já tive oportunidade de expressar antes, a prestação destes cuidados pode ser extenuante, levando a que os próprios cuidadores se sintam muitas vezes abatidos, fragilizados ou até deprimidos. Hoje centro-me no caso específico dos cuidadores que têm a seu cargo familiares acometidos por doenças como Alzheimer e outras formas de demência. Porquê? Porque estas pessoas são, comprovadamente, mais vulneráveis aos transtornos depressivos e ansiosos, particularmente quando não têm qualquer treino na prestação destes cuidados.

Um dos grandes constrangimentos que resulta destas situações está relacionado com o isolamento social dos cuidadores. Como nalguns casos a dependência dos familiares implica dedicação total, algumas pessoas sentem-se “forçadas” a abandonar a sua actividade profissional, pelo que as oportunidades de socialização diminuem drasticamente. Mas existem outros factores que contribuem para que estes cuidadores se sintam tantas vezes engolidos pelo problema:


  • Constrangimentos financeiros – mesmo que os membros da família se revezem e não seja necessário que alguém deixe de trabalhar, há quase sempre despesas acrescidas associadas a estas situações.
  • O comportamento do próprio doente – cuidar de um familiar com alguma forma de demência implica o confronto com a degeneração de muitas faculdades, o esforço contínuo de adaptação a novas realidades e exigências nem sempre razoáveis.
  • Falta de ajuda de outros familiares – não sendo propriamente uma tarefa fácil, a prestação destes cuidados acaba por ser muitas vezes motivo de discórdia na família. Não raras vezes, é a mãe de família que assume esta responsabilidade, de forma isolada.
  • O tempo necessário – a toma regrada de medicamentos é apenas uma das responsabilidades dos cuidadores, porventura a mais leve. Diariamente existem diversas tarefas que roubam tempo e que podem levar à exaustão.
  • Mudanças na relação – cuidar de um familiar com demência implica que o cuidador se relacione de forma completamente diferente com alguém com quem antigamente manteria uma relação mais equilibrada. O confronto com a deterioração cognitiva e emocional de um pai ou de uma mãe é penoso. Se no passado esta pessoa poderia ser uma fonte de afectos e de apoio emocional, agora as posições invertem-se e, em muitos casos, o idoso é tão dependente quanto uma criança pequena.

Existem milhões de pessoas em todo o mundo que assumem esta responsabilidade durante cinco, seis ou sete anos, mas há outras que desempenham este papel ao longo de quinze ou vinte anos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...