A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

14.3.11

É POSSÍVEL PERDOAR UMA TRAIÇÃO?

Partilho hoje a entrevista que concedi à revista Happy Woman:


1. Perante os casos que conhece e que acompanha em consultório, é possível perdoar uma traição? Há mais casos de sucesso ou de insucesso, ou seja, de quererem continuar mesmo não sabendo como, ou de não querer sequer continuar o relacionamento?

A maior parte das pessoas sabe pouco sobre aquilo que está por detrás de uma traição e, como é natural, afirma sem pudor que não perdoaria uma infidelidade mas a minha experiência clínica mostra precisamente o contrário. A infidelidade é um marco avassalador a que nem todas as relações resistem mas é possível perdoar e reconstruir a relação. Os casos que chegam até ao meu consultório reportam-se normalmente aos casais que estão debaixo desta tempestade, querem dar a volta mas não sabem como fazê-lo. Nalguns casos o pedido de ajuda é feito imediatamente após a revelação da relação extraconjugal – aí as emoções ainda estão muito confusas, pelo que a pessoa que foi traída pode não ter a certeza de que quer reconstruir o seu casamento. Mas na maioria das vezes o contacto é feito depois de a “poeira assentar”, isto é, passado o choque inicial, e os membros do casal assumem que querem ultrapassar este marco. Não raras vezes a vontade de perdoar existe mas é preciso desenvolver competências para gerir as desconfianças e aprender a amar de olhos abertos.

2. Quem mais pede ajuda para «perdoar» - o traidor ou o traído? Há mais homens ou mulheres a procurarem ajuda depois de terem sofrido uma traição?

O pedido de ajuda é feito por qualquer um dos membros do casal, embora note que existem mais contactos realizados pelo cônjuge que traiu.

3. Tem estatísticas / números que de certa forma possam ilustrar o tema, ou seja, se existe uma tendência crescente ou não em querer perdoar e/ou em perdoar?

Há cerca de 10 anos que trabalho com casais e as questões relacionadas com a infidelidade sempre fizeram parte do meu quotidiano clínico. Não posso afirmar que haja cada vez mais casos de infidelidade ou tentativas de perdoar a traição. Talvez exista, isso sim, mais informação disponível a respeito das alternativas ao nível da ajuda especializada. Há 10 anos muitos casais enveredavam pelo divórcio desconhecendo que existiam serviços de terapia conjugal. Hoje uma simples pesquisa pela Internet coloca estes recursos à vista de qualquer pessoa.

4. As segundas relações funcionam? Mesmo querendo, por vezes não sabem como avançar, como lidar com a mistura de emoções. É possível reconstruir a relação e parte-se de onde? Por construir a confiança beliscada? Há mais casos de sucesso ou de insucesso de reconciliações após a traição?

Existem diferentes “tipos” de infidelidade, pelo que a probabilidade de sucesso na reconstrução da relação é variável. Numa pequena fatia dos casais que me procuram a infidelidade não representa um investimento emocional com a terceira pessoa mas antes o “álibi” para a ruptura. De algum modo, aquelas duas pessoas já se divorciaram emocionalmente e a traição é “só” o alarme que faltava. Noutros casos a relação extraconjugal vem preencher as lacunas que se instalaram ao longo do tempo, na sequência do afastamento físico e/ ou emocional dos cônjuges, pelo que o processo de terapia conjugal terá de explorar os recursos e as fragilidades daquela relação, bem como os marcos que compõem o caminho percorrido a dois. Não é fácil olhar para trás e perceber, por exemplo, que os sinais estavam “lá” há tanto tempo. Daí que seja preciso gerir com cautela as emoções de cada um. Por outro lado, o princípio da terapia pode envolver o desenvolvimento de algumas competências que permitam sair dos ciclos de desconfiança. Mais cedo ou mais tarde aquelas duas pessoas vão ter de abandonar os comportamentos "à detective" e olhar para dentro da relação, reconhecendo que a reconstrução do casamento depende da vontade e do esforço de ambos. Para que ambos voltem a sentir-se seguros é preciso que aprendam a cuidar do outro, a respeitar as suas necessidades e a dar de si. Quando ambos investem, e apesar dos avanços e recuos legítimos nestes casos, a probabilidade de sucesso é elevada.