A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

18.5.11

ASSUMIR A CULPA

culpa
s. f.
1. Falta voluntária contra o dever; omissão; desleixo.
2. Causa (de mal ou dano).
3. Imputação.
4. Delito; crime; pecado.
Fonte: Priberam.

Em sede de terapia prefiro falar da assunção de responsabilidades em vez de culpas. Não é só uma questão de semântica, é sobretudo uma tentativa de realçar o facto de a maior parte dos erros cometidos nas nossas relações afectivas resultarem da incompetência e do desconhecimento, o que é muito diferente de cometer “faltas voluntárias”. Mas importa que reconheçamos que algumas pessoas são mais desonestas e manipuladoras do que outras e que fazem uso da mentira pura a torto e a direito.

Quando uma pessoa age desta forma, a confiança é invariavelmente abalada e as relações afectivas passam a estar em risco. Às vezes a confiança perde-se para sempre e as relações não podem ser reconstruídas. Todos nós erramos, às vezes de forma grave. Mas quando alguém usa a mentira para atingir os seus objectivos, o melhor é afastarmo-nos até que aquela pessoa amadureça e aprenda a ter comportamentos confiáveis.

As pessoas habituadas a refugiar-se na mentira estão imersas num ciclo vicioso em que os seus erros dão lugar a sentimentos de culpa e vergonha, punições por parte da pessoa que foi atingida, seguidas da humilhação e diminuição de auto-estima. Amadurecer implica perceber que este “efeito dominó” só acontece se a pessoa que está habituada a mentir continuar a fazê-lo. Basta que a primeira peça do dominó não caia para que todas as outras se mantenham de pé. Neste caso, manter a primeira peça de pé implica mudar a forma como olhamos para os nossos erros. Como? Deixando de associar os erros a sentimentos de culpa e passando a associá-los a responsabilidade. Quando assumimos a nossa responsabilidade, seja ela de 1 por cento ou de 100 por cento sobre o problema gerado, deixa de fazer sentido falar de culpa, vergonha, castigos ou humilhações. Ser responsável significa dar resposta aos erros cometidos, fazer escolhas emocionalmente inteligentes.

As pessoas que se consomem com sentimentos de culpa e vergonha convencem-se de que são pessoas horríveis, incapazes de emendar os seus erros.

Passar da culpa à responsabilidade implica:
  1. Reconhecimento. Observe atentamente o seu comportamento, tente perceber em que medida é que as suas acções, incluindo as suas palavras, estão relacionadas com o problema gerado. Pergunte a si mesmo se o seu comportamento provocou algum prejuízo à outra pessoa.
  2. Responsabilidade. Assuma a sua responsabilidade, verbalizando-a directamente à pessoa afectada, olhos nos olhos.
  3. Compromisso. Assuma o compromisso de não voltar a cometer este erro e a vontade de fazer escolhas melhores.
  4. Reparação. Questione a outra pessoa acerca do que você pode fazer para reparar o problema. Pergunte “O que é que eu posso fazer para que isto fique resolvido?”.

Para além destes passos, ultrapassar um problema gerado pelo seu comportamento pode implicar a assunção da dor/ mágoa provocada bem como um pedido de desculpas. Para algumas pessoas isto é aparentemente muito difícil, como se se tratasse de uma humilhação. Na verdade, não custa nada dizer algo como “Eu sinto-me mal por ter-te magoado. Peço desculpa por ter dito/ feito aquilo”.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...