A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

17.5.12

COMO É QUE A DEPRESSÃO DOS PAIS AFETA AS CRIANÇAS?



A depressão é uma doença que não escolhe idade, sexo, raça nem classe social. Pode atingir qualquer um e as estatísticas mostram que pelo menos um em cada cinco adultos tem ou já teve um episódio depressivo. Nesse sentido, é fácil adivinhar o impacto que esta perturbação tem em termos familiares. Entre estes doentes estão muitos pais e mães, pelo que importa refletir sobre o que acontece aos filhos.

As pesquisas nesta área mostram
uma correlação direta entre a depressão do pai ou da mãe e a probabilidade
de os filhos desenvolverem alguma forma desta doença ou outras perturbações do comportamento.

Nestas estatísticas inclui-se a depressão pós-parto mas a verdade é que quando falamos da depressão do pai ou da mãe falamos de outras formas da doença que, nalguns casos, assume contornos de doença crónica.

Como é sabido, uma das consequências mais frequentes resultantes deste adoecimento é a falta de energia. O doente com depressão queixa-se frequentemente de desmotivação, incapacidade para honrar compromissos, vontade de ficar quieto, sem fazer nada. Ora, no que diz respeito ao papel parental é óbvia a diminuição da disponibilidade e da capacidade para dar atenção às necessidades da criança. Nalguns casos essa indisponibilidade é generalizável aos cuidados médicos de que a criança precisa. Não raras vezes, os pediatras são confrontados com o agravamento da saúde física das crianças, apenas explicável porque o adulto responsável não foi capaz de identificar a tempo a necessidade de intervenção médica. Por exemplo, se a criança tiver um problema crónico – como acontece no caso da asma – um progenitor com depressão pode evidenciar seríssimas dificuldades na aplicação do plano terapêutico que permitiria que as crises fossem evitadas.

Infelizmente, os médicos nem sempre se sentem confortáveis para abordar a hipótese de aquele progenitor precisar de ajuda especializada, ainda que reconheçam que, para ajudar a criança, é fundamental que os pais também sejam ajudados. A questão é que ainda existe algum estigma associado às perturbações de humor. Além disso, as idas ao pediatra continuam – infelizmente – a funcionar como um barómetro das competências parentais. Nenhum pai ou mãe quer ouvir que não está a cumprir o seu papel. Nenhum pai ou mãe está preparado para qualquer comentário que se assemelhe a uma avaliação negativa do seu papel parental. E os pediatras sabem disso.

Mas não há nada de insultuoso ou ofensivo no levantamento de questões a respeito da saúde emocional dos pais. Pelo contrário, ser pai ou mãe implica a responsabilidade de reconhecer que o nosso estado emocional condiciona a saúde – física e emocional – das nossas crianças. Mais: implica que confiemos na competência dos médicos e que interiorizemos a mensagem de que um pediatra dificilmente conseguirá ser bem-sucedido na ajuda às nossas crianças se ignorar o contexto familiar.

Como é que se sentiria se o pediatra do seu filho lhe perguntasse se está tudo bem consigo do ponto de vista emocional?

Até que ponto se sentiria ofendido se o médico levantasse a hipótese de o seu estado emocional estar a condicionar a saúde física do seu filho?

Aceitaria de bom grado a manifestação de preocupação com a hipótese de você estar deprimido(a)?

É fundamental que os médicos insistam nesta função, nomeadamente porque as perturbações depressivas e ansiosas SÃO TRATÁVEIS e não há nenhum motivo para que nos escondamos ou nos envergonhemos. Assumir a necessidade de ajuda especializada pode prevenir a agudização de determinadas doenças físicas da criança e pode, sobretudo, trazer um alívio imenso aos pais. Por outro lado, ao conhecer a prevalência de depressão na família o médico pode estar mais atento aos sinais de depressão na própria criança. Afinal, esta é uma doença com uma componente transgeracional.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...