A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

21.10.13

COMO FOMENTAR A AUTOESTIMA DOS FILHOS


Se é pai ou mãe e tem mais do que um filho, é provável que reconheça algumas diferenças entre eles no que diz respeito à autoestima. Ainda que o seu esforço e a sua dedicação sejam idênticos, a verdade é que há outros fatores que podem contribuir para que uma criança se transforme num adulto mais ou menos confiante. Ainda assim, pode ter a certeza: a autoestima dos seus filhos depende, em larga medida, daquilo que for capaz de investir na sua relação com eles. Partilho, por isso, algumas dicas que podem ajudá-lo nessa tarefa:

MOSTRE O SEU AMOR INCONDICIONAL.
Quase todos os pais e mães que conheço amam os seus filhos mais do que tudo na vida. No entanto, alguns falham na exteriorização desse amor incondicional. Quando um pai ou uma mãe mostra o seu desagrado em relação às más notas do filho, está a contribuir (positivamente) para a sua educação – mesmo quando há a necessidade de implementar um castigo. Mas há um impacto muito negativo quando uma criança sente que precisa de conquistar o afeto dos seus pais através do seu desempenho escolar. Em terapia oiço com alguma frequência os frutos deste equívoco de comunicação – filhos que descrevem o quão pressionados se sentiam pelos pais e o quão desgastante foi lutar para lhes agradar e pais que lamentam não terem sido capazes de mostrar de forma mais clara o seu amor incondicional. Nestes casos, a criança transforma-se muitas vezes num adulto inseguro, que considera que nunca está à altura, que acha que as suas escolhas não são suficientemente boas.

OUÇA A OPINIÃO DOS SEUS FILHOS.
Não faz sentido que os pais se demitam das suas responsabilidades e deleguem nas crianças a tomada de decisões significativas. Mas tão pouco é saudável que as crianças não se sintam ouvidas. Consultar os filhos, ouvir aquilo que eles têm a dizer – nomeadamente a respeito de assuntos que lhes digam respeito – é dar atenção aos seus sentimentos. A palavra final deve ser dos adultos, em particular quando falamos de crianças pequenas, mas os filhos têm (ou devem ter) o direito de serem ouvidos. Ao perceberem que a sua opinião importa, que é tida em consideração, as crianças desenvolvem a sua assertividade e sentem-se progressivamente mais seguras. Esta competência revelar-se-á fundamental na reivindicação dos seus direitos noutros contextos (na escola, por exemplo).

NÃO FAÇA COMPARAÇÕES.
Como se sentiria se os seus familiares e amigos se centrassem permanentemente nas suas falhas e limitações? Como se sentiria se alguém estivesse constantemente a destacar as áreas em que você não é tão bom quanto provavelmente gostaria de ser?

Os seus filhos têm, tal como todas as outras crianças, qualidades e limitações. Há comentários que são potencialmente destrutivos da autoestima de uma criança. Por exemplo: “Olha para o teu amigo João. É o melhor aluno da turma e ainda tem tempo para ir às aulas de guitarra. Porque é que não te esforças como ele?”. Não há nada de encorajador numa mensagem como esta. Aos pais compete reconhecer e valorizar as competências dos seus filhos, abstraindo-se daquilo de que as outras crianças são capazes.

ACEITE AS EMOÇÕES DOS SEUS FILHOS.
Confronto-me demasiadas vezes com pais e mães que ralham com os seus filhos quando estes choram ou gritam, indiferentes àquilo que deu origem àquela exteriorização. Esta escolha impede que a criança veja as suas emoções compreendidas e passa a mensagem pouco saudável de que a criança deve habituar-se a esconder os seus sentimentos.

Se os pais consideram que o comportamento é desajustado à situação – porque a criança assume um comportamento agressivo, por exemplo-, devem esforçar-se por transmitir aos filhos que é normal que estes se sintam tristes, frustrados ou até enraivecidos mas que aquela é uma forma errada de manifestar as suas emoções. Qualquer criança tem o direito de se sentir triste ou furiosa e aos pais compete ajudá-las a manifestar verbalmente essas emoções. Às vezes é difícil, muitas vezes implica gastar mais tempo na gestão do episódio. Mas este é o caminho que permite que as crianças desenvolvam o sentido de justiça.

NÃO OBRIGUE OS SEUS FILHOS A TER ATIVIDADES QUE DETESTAM
Se o início de cada ano letivo implica que você tente desesperadamente que o seu filho se entusiasme com uma atividade desportiva, é provável que esta busca corresponda a uma vontade sua e não dele. Ele já tentou o basquetebol, o futebol, a natação e o judo e o desinteresse é sempre idêntico? Então esqueça a ideia de o seu filho fazer outro desporto além das aulas de Educação Física – pelo menos enquanto não for ele a mostrar verdadeira motivação.

Alguns pais dão o seu melhor no sentido de proporcionar aos filhos o acesso ao desporto, à música ou à aprendizagem de línguas estrangeiras mas esquecem-se de que a imposição destas atividades pode ser contraproducente. Se a criança odeia, por que se há de insistir? O efeito pode ser perverso. Além de não haver nada de saudável no preenchimento dos tempos livres com 37 atividades diferentes (há que permitir que uma criança tenha tempo para ser criança), a obrigatoriedade passa a mensagem de que, quando crescer, o seu filho deve contentar-se com aquilo que os outros lhe quiserem impor (um patrão, por exemplo), ignorando os seus próprios interesses e ambições.

DEFINA LIMITES.
Crescer num ambiente familiar seguro e saudável não tem a ver apenas com liberdade. Pelo contrário, as crianças precisam de saber que há regras e que algumas dessas regras NÃO SÃO NEGOCIÁVEIS. Aos pais compete discernir sobre aquilo em que vale a pena ceder e aquilo em que devem ser intransigentes. Se as regras forem pouco claras ou os pais assumirem comportamentos demasiado flexíveis em relação ao que é importante, o caos tenderá a imperar e as crianças crescerão com pouca capacidade de definir o seu próprio rumo. Por oposição, se os pais assumirem comportamentos rígidos em relação a TUDO, chegará um momento em que verão os seus filhos revoltar-se com aquilo a que provavelmente rotularão de austeridade excessiva.

DÊ O EXEMPLO.

Os seus filhos estão constantemente a observá-lo e aprendem mais com o seu comportamento do que com as “lições de moral” que for capaz de dar. Ensine-os a sair da sua zona de conforto, a enfrentar o mundo com otimismo, a correr atrás dos próprios sonhos. Mas não se esqueça de equiparar a teoria à prática. De nada lhe valerá incentivá-los a correr riscos se não estiver disposto a fazer o mesmo. De nada servirá dizer-lhe que devem ser capazes de vencer o medo se você não der o exemplo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...