A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

25.8.14

COMO EDUCAR OS FILHOS PARA O SUCESSO



Educar uma criança é, provavelmente, um dos maiores desafios que alguém pode ter de enfrentar. A vontade de se ser bom pai ou boa mãe anda quase sempre de mãos dadas com um conjunto de medos e de interrogações – “Estarei a fazer as escolhas certas?”, “Será que passo tempo suficiente com os meus filhos?”, “Estarei a ser demasiado exigente?”, “Estarei a ser demasiado permissivo(a)?”. Ninguém tem todas as respostas. De um modo geral, os pais (e mães) têm um desejo comum: querem que os seus filhos sejam felizes. Querem que sejam crianças felizes e querem que se transformem em adultos capazes de lutar pela sua felicidade. Depois há desejos mais específicos. Há quem ambicione que os filhos sejam alunos brilhantes e mais tarde profissionais de sucesso (e, já agora, muito bem remunerados). Há quem queira vê-los casados e com filhos. Há quem lute para que se transformem em adultos responsáveis e com valores.

Mas como é que tudo isto se consegue? E o que é que depende, de facto, dos pais? Afinal, toda a gente sabe que os pais não controlam tudo, que há muitos outros agentes que contribuem para a formação de uma criança. Pelo sim, pelo não, há quem se previna começando por inscrever as crianças em infantários-topo-de-gama. E há quem se mate a trabalhar para garantir que os filhos possam frequentar as melhores escolas e, mais tarde, as melhores universidades. Mas se é verdade que as crianças podem beneficiar (e muito) de um ensino que as estimule e que lhes permita desenvolver competências e concretizar sonhos, é fundamental que assumamos a realidade como ela é: o sucesso dos nossos filhos depende muito menos destes recursos e muito mais do vínculo que formos capazes de construir com eles. É verdade! A felicidade das nossas crianças e até o seu rendimento escolar (e mais tarde profissional) depende maioritariamente de algo que é grátis: a conexão com os pais. Não é a creche XPTO, as 123 atividades extracurriculares nem a poupança no banco que hão de garantir que os nossos filhos sejam adultos felizes e bem-sucedidos. É o tempo que formos capazes de lhes dedicar. É a capacidade de resposta às suas necessidades – físicas e emocionais. É a segurança emocional que resulta de se sentirem amados. É o toque – os gestos de afeto, os mimos, os beijos e os abraços. São os “Nãos” devidamente explicados.

Qualquer pai ou mãe gostaria que os seus filhos se transformassem em adultos seguros, capazes de lutar pelos seus sonhos, de reagir às adversidades, de defender os seus interesses com escrúpulos e com autoconfiança, certo? Ora, isso depende sobretudo do investimento afetivo que for feito.


O toque é fundamental para o desenvolvimento físico e emocional das crianças. As crianças que não são tocadas e que raramente brincam têm um cérebro entre 20 e 30% mais pequeno do que o normal para a sua idade.


Cada criança tem competências inatas. Se ao pais oferecerem alguns estímulos, essas competências vão desenvolver-se. Mas os “talentos” do seu filho podem não ser aqueles que você espera ou os que você mais valoriza. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...