A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

10.12.14

TERAPIA DE CASAL - ULTRAPASSAR UMA TRAIÇÃO


- Sim, traí e estou disposto a assumir toda a responsabilidade pelo meu erro.

Quando João me disse esta frase, na primeira consulta de terapia conjugal, não estava só a mentir (de novo) à mulher. Talvez estivesse também a mentir a si mesmo. Talvez quisesse dizer “Estou disposto a assumir o meu erro”. Mas a verdade é que estava, longe, muito longe, de querer assumir “toda a responsabilidade”. Duas semanas antes a mulher tinha encontrado uma mensagem comprometedora no telemóvel e, depois de vasculhar faturas, e-mails e sabe-se lá mais o quê, confrontou-o com uma certeza: João estava a ter um caso com uma colega de trabalho. Seguiram-se dias de choro, discussões, avanços e recuos. Quando chegaram até mim, ambos mostraram vontade de reconstruir a relação. Mas… João tinha muito mais condições a impor do que a mulher. Não estava disposto a cortar relações com a colega “porque ela não merecia isso”, não queria que a mulher voltasse a vasculhar o seu telemóvel nem as contas de e-mail. Quinze dias depois da primeira consulta, a mulher voltou a encontrar mensagens que davam conta da manutenção da relação extraconjugal e decidiu sair de casa.

Há quem confunda assumir a culpa pelos erros cometidos com assumir a responsabilidade.


Quando uma pessoa é infiel, é importante que seja capaz de assumir que errou. Esse é o primeiro passo para a (tentativa de) reconstrução da relação. Mas é só isso: o primeiro. Depois são precisos outros:

TERMINAR A RELAÇÃO EXTRACONJUGAL. Parece óbvio mas há quem decida tentar reconstruir o casamento (também através da terapia de casal) sem ter posto fim à relação extraconjugal. Há quem alegue que tem medo de represálias. Há quem assuma que se sente confuso. Há quem queira o melhor de dois mundos. A verdade, mais cedo ou mais tarde, vem à tona e lá se vai qualquer hipótese de salvar o casamento.

DESCOBRIR OS PORQUÊS. Quer para quem trai, quer para quem é traído, é fundamental olhar para trás e tentar identificar as razões que levaram a que o affair acontecesse. O casal deve ser capaz de traçar um plano para lidar com as razões, as desculpas ou as circunstâncias que envolveram esse caso - porque é muito provável que elas voltem a surgir.

EVITAR FALSAS PROMESSAS. Não adianta prometer que “não voltará a acontecer” quando ainda não se sabe muito bem porque é que aconteceu. É preferível dizer (com honestidade) que quer tentar, que quer olhar para trás e entender o que se passou e que quer melhorar a relação para que não volte a haver espaço para uma terceira pessoa.

OUVIR E FALAR. Quem traiu deve estar disponível para ouvir - e para falar - sempre que o cônjuge precisar. Assumir a responsabilidade pelo erro cometido implica ajudar o companheiro a sarar as feridas e restabelecer a confiança. Há alturas em que a pessoa traída precisa de carinho e de atenção. Mas também há momentos de descrença e de raiva por tudo o que aconteceu e que faz com que nada possa voltar a ser “como era antes”.



ASSUMIR UM CAMINHO DE TRANSPARÊNCIA. Não vale a pena enveredar por meias-verdades. A confiança só será restabelecida se a pessoa que traiu quiser cuidar do companheiro, assumindo total transparência em relação às suas decisões, às suas escolhas. A pessoa traída quer ver o telemóvel? Deixe-a. Não vale a pena perguntar “para quê?”. Não adianta zangar-se. Vai ser preciso algum tempo (e transparência) para que a confiança seja reconstruída.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...