A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL


16.5.17

COMO MELHORAR A AUTOESTIMA


Pelo meu gabinete já passaram muitos profissionais de sucesso e pessoas habituadas a serem vistas como “animais sociais” que, na verdade, têm sérios problemas de autoestima. Há quem confunda autoestima com popularidade, boa aparência física ou sucesso profissional mas uma pessoa com uma boa autoestima é, sobretudo, alguém que gosta de si mesmo apesar de todas as falhas e imperfeições. E se é óbvio que esta capacidade de aceitação se traduz normalmente numa postura mais otimista e mais frutuosa em termos sociais e profissionais, também é importante salientar que há muito boa gente que aparenta gostar de si mesmo e que, em privado, sofre com baixa autoestima.

As pessoas com uma boa autoestima sentem-se bem na sua pele, valorizam-se na medida certa, orgulham-se das suas capacidades e das metas atingidas. Reconhecem que não são perfeitas e conhecem os seus defeitos mas não permitem que estes tenham um peso irracional sobre as suas vidas.

COMO É QUE ALGUÉM PODE
MELHORAR A AUTOESTIMA?

1. FAÇA UMA LISTA. OU MELHOR, DUAS.

Ninguém pode melhorar se não se conhecer realmente bem. Pegue numa folha e faça duas listas: identifique 10 qualidades e 10 defeitos que o definam. Se tem baixa autoestima, é provável que sinta alguma dificuldade em identificar as qualidades. Pense naquilo que as outras pessoas costumam dizer sobre si, nos elogios que fazem (e em que você nem sempre acredita).

2. DEFINA METAS (REALISTAS).

Olhe para a lista de defeitos e defina os seus objetivos. Comprometa-se publicamente com essas mudanças. Por exemplo, se quiser perder peso, fale com os seus familiares e amigos, dando-lhes a conhecer o seu plano. Mas não exagere: esqueça as comparações com outras pessoas e defina passos concretizáveis.

3. ACEITE AQUILO QUE NÃO FOR CAPAZ DE MUDAR.



Seja genuinamente gentil consigo – tanto quanto, provavelmente, conseguiria ser com qualquer outra pessoa à sua volta. Não fuja de nenhuma das suas falhas. Tente praticar a aceitação.

4. MEDITE.

Há cada vez mais estudos que comprovam a eficácia da meditação em modo mindfulness na elevação do nosso bem-estar. Parar, de propósito, para prestar atenção ao momento presente com estes exercícios ajudá-lo-á a aceitar aquilo que não controla e a olhar para a sua vida de uma forma mais positiva.

5. ARRUME(-SE).

Já reparou no efeito que uma casa arrumada provoca em nós? Sentimo-nos mais calmos, mais bem-dispostos e até mais criativos. Estabeleça rotinas que lhe permitam manter o seu espaço (pessoal e profissional) organizado. Aproveite e implemente rotinas que o ajudem a cuidar do seu corpo: faça exercício físico com regularidade, alimente-se bem e dê prioridade ao seu sono. Se não é usual praticar exercício, aceite o facto de, pelo menos numa fase inicial, não sentir grande prazer com essa atividade. Discipline-se e… dê tempo. O mais provável é que comece a ver resultados e passado algum tempo perceba que as endorfinas que liberta enquanto faz desporto o ajudam a sentir-se muito melhor.

6. PRESTE ATENÇÃO ÀS REDES SOCIAIS.



Quantas vezes dá por si a dizer a alguém que são só mais 5 minutos e, entretanto, esteve uma hora a olhar para contas de Instagram com fotografias de vidas aparentemente perfeitas que contribuem para que se sinta mal consigo mesmo? Não há nada de errado em passar algum tempo nas redes sociais. Procure fazê-lo de forma consciente. Os exercícios de mindfulness podem ajudar.

7. FAÇA OUTRA LISTA.

Identifique as atividades que lhe dão prazer e… vá à luta. Gira o seu tempo de modo a dar prioridade àquilo que pode genuinamente contribuir para que se sinta bem na sua pele. Isso pode passar pelo desporto, por sair com amigos ou por voltar a candidatar-se a um curso superior. Seja honesto em relação àquilo que o faz sentir-se vivo.

8. SEJA (GENUINAMENTE) GENTIL.

Já reparou que aqueles que rotulamos de “boas pessoas” são normalmente pessoas mais serenas? Prestar (mesmo) atenção às pessoas que estão à sua volta e dar o seu melhor para estar presente nas suas vidas acrescentando apoio moral, afeto e interesse genuíno ajudá-lo-á a descentrar-se de si mesmo na medida certa.



Pense na hipótese de fazer voluntariado.

9. PEÇA AJUDA.


Não há como negar: às vezes, os pensamentos negativos estão tão enraizados e descontrolados que é muito difícil dar a volta sozinho. Há pessoas que se esforçam mesmo muito e o máximo que conseguem é fingir uma autoestima que na verdade não têm. Se for esse o caso, peça ajuda especializada. Faça aquilo que tem de ser feito para que possa usufruir do direito a ser feliz (tal como é).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...