A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL


11.12.17

O NATAL DOS PAIS SEPARADOS


Ninguém está preparado para viver o Natal longe dos filhos mas esta é a (dura) realidade de muitos pais e mães. Se a “época mais bonita do ano” já é, muitas vezes, uma fonte de stress, imagine-se como é lidar com as emoções (e os conflitos) associados a todas as decisões que é preciso tomar depois da separação.

Hoje partilho algumas sugestões que espero que possam ajudar a transformar o Natal num conjunto de memórias positivas:

1- FOQUE-SE NO ESSENCIAL:
O BEM-ESTAR DAS CRIANÇAS

Não há volta a dar: por mais angustiado que se sinta, é fundamental que se lembre que as crianças são naturalmente mais vulneráveis do que os adultos. Tem o direito de estar triste mas nunca se esqueça de que as decisões que tomar podem ajudar a transformar o Natal dos seus filhos numa experiência positiva. Fazer o que estiver ao seu alcance para os ajudar a estarem tranquilos – seja onde for – ajudá-lo-á a sentir-se bem consigo mesmo.

2- PRESTE (MUITA) ATENÇÃO ÀS NECESSIDADES DOS SEUS FILHOS

Alguns pais e mães optam por estar com as crianças em anos alternados, o que implica que haja muitos adultos que tenham de passar esta quadra sem os filhos. Noutros casos, a divisão é menos “drástica” e as crianças acabam por passar o dia 24 com um e o dia 25 com o outro. Seja qual for o formato escolhido, é fundamental que os adultos assumam aquilo a que eu chamo de uma postura de curiosidade gentil em relação às crianças.



Preste menos atenção ao formato escolhido por outras famílias e tente conhecer as verdadeiras necessidades das suas crianças.

3- PLANEIE COM ANTECEDÊNCIA

Se este ano é o seu ano sem filhos ou se estiver sem eles durante uma parte da quadra, procure planear com antecedência aquilo que vai fazer durante esse período. Se se tratar do primeiro ano, é natural que seja particularmente doloroso. Não fuja à sua dor nem finja que está tudo 100 por cento bem. Assuma a sua tristeza – mesmo com as crianças – e faça as escolhas que lhe permitam lidar com ela. É natural que deseje “hibernar” durante alguns dias e isolar-se de todos MAS isso pode implicar que a tristeza se intensifique. Não há nada pior para alimentar um estado depressivo do que o isolamento. Contrarie a vontade de estar sozinho e faça planos com familiares e amigos. Comprometa-se e encare estes rituais como uma forma de lidar com a nova realidade.

4- CRIE NOVAS TRADIÇÕES

É possível que se sinta triste por já não poder colocar em prática todas as tradições que existiam antes da separação. Centre-se nas memórias que é possível proporcionar aos seus filhos. Talvez possam alargar o período festivo até ao fim de semana seguinte e juntar a família de novo; talvez seja viável criar o ritual de trocar “selfies” natalícias. O que importa é que se foque naquilo que está ao seu alcance no sentido de os seus filhos se sentirem genuinamente tranquilos e felizes.

5- EVITE OS CONFLITOS

É natural que haja (muita) tensão e, mesmo que haja boa vontade dos dois lados, é fácil criar discussões a propósito de atrasos, falhas de comunicação ou dificuldade em cumprir com o que fora acordado. Se se focar na possibilidade de transformar cada Natal numa experiência positiva para os seus filhos, ser-lhe-á mais fácil evitar o confronto com o seu Ex na presença das crianças. Procure definir os termos do acordo por mensagem ou por e-mail e faça o que estiver ao seu alcance para promover a paz. Não é preciso ser amigo do seu ex-companheiro. Aquilo que é preciso é evitar que as crianças sofram.

É muito fácil entristecer-se por já não ser possível manter todos os rituais que, na sua memória afetiva, estão associados a um Natal “perfeito”. Lembre-se de que para os seus filhos o que importa não é ter um Natal perfeito mas sim ter um Natal especial, à medida da realidade familiar. O que é que está ao seu alcance para os ajudar a transformar cada Natal num conjunto de memórias especiais?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...