A PSICÓLOGA NO FACEBOOK     |     VÍDEOS     |     CONSULTÓRIO     |     PÁGINA INICIAL

13.2.12

CODEPENDÊNCIA



A codependência é uma expressão que começou por ser usada entre "psis" para caracterizar muitos cônjuges de pacientes alcoólicos mas nas últimas décadas foi possível verificar que a maior parte das suas características está presente na população em geral, em concreto em muitas das pessoas que cresceram em famílias disfuncionais. O que é que a caracteriza?

BAIXA AUTOESTIMA

Estas pessoas dependem em larga medida da aprovação dos outros, sentem-se inseguras acerca do seu valor e fazem constantemente comparações entre as suas realizações/ qualidades e as das outras pessoas. Dependem dos elogios regulares e vão facilmente abaixo com as críticas, mesmo que estas provenham de pessoas que mal conheçam. Estão, por isso, muito vulneráveis à opinião dos outros. Às vezes aparentam ser pessoas seguras, na medida em que se esforçam para parecer pessoas fortes e determinadas mas essa é apenas uma capa (que pode agravar o ciclo vicioso, na medida em que, em público a pessoa mostra-se capaz de ouvir “tudo” e, no recato, desmorona).


FRONTEIRAS DIFUSAS

As fronteiras que deveriam separá-las das outras pessoas são pouco nítidas e isso é particularmente visível em relação à família de origem. Como não há fronteiras claras, a pessoa assume de forma imediata que os problemas das outras pessoas são seus também e apressa-se a tentar resolvê-los, mesmo que isso implique que se anule. Como vive em constante sobressalto, é possível que mine as outras relações afetivas, nomeadamente a relação conjugal. Afinal, quem é que aguenta ver a pessoa amada hipervigilante em relação aos problemas dos outros?


VONTADE DE AGRADAR

A insegurança faz com que estas pessoas deem o seu melhor no sentido de agradar a TODA A GENTE. São muitas vezes incapazes de dizer não, ainda que isso implique que elas mesmas saiam prejudicadas. Além disso, raramente emitem a sua opinião sincera, já que temem que os outros possam julgá-las/ rejeitá-las. Vivem a vida que os outros quiserem que elas vivam, escolhem aquilo que acham que os outros aprovariam e… vão perdendo a própria identidade.


HIPERSENSIBILIDADE

Cada palavra proferida pelos outros é potencialmente fatal para estas pessoas, que absorvem tudo, sofrendo com cada chamada de atenção ou opinião divergente. Aquilo que para a maior parte de nós seria apenas a opinião de um amigo (por exemplo, “Não gosto de te ver com esse penteado, pareces mais velha”), pode ser sentido como uma crítica feroz, que faz com que a pessoa se sinta abatida durante algum tempo. Como não há fronteiras claras, qualquer pessoa tem poder para as deitar abaixo e isso pode transformá-las em vítimas fáceis de bullying.
CONTROLO EXCESSIVO

Todas as pessoas precisam de rotinas, de sentir que controlam pelo menos uma parte das suas vidas. Mas para estas pessoas, qualquer desvio àquilo que estava programado pode ser dramático, na medida em que isso implica que deixem de controlar todos os passos e que, consequentemente, se sintam muito inseguras. Um jantar marcado à última hora pode ser visto com muito sobressalto, por exemplo. Esta necessidade de controlo impede-as de correr riscos, de partilhar as próprias emoções e transforma-as muitas vezes em pessoas perfeccionistas, viciadas no trabalho.


FALTA DE ASSERTIVIDADE

Como não estão habituadas a dizer o que pensam e sentem, é provável que, mesmo que o queiram fazer, não saibam como. Mais: quando têm mesmo de o fazer, podem sentir-se ridículas. A verdade é que se habituaram a dizer o que acham que os outros querem ouvir e, a páginas tantas, não sabem ser claras e honestas em relação às suas próprias opiniões. Optam demasiadas vezes por comportamentos passivos e, nalguns casos, pela manipulação.


DEPENDÊNCIA

O medo da rejeição está na base da maior parte das relações destas pessoas. Elas precisam de se sentir aceites e fazem as suas escolhas movidas pelo medo de serem excluídas ou abandonadas. Não raras vezes mantêm relações disfuncionais, marcadas pelo sofrimento e por abusos, encarando o rompimento como uma fonte de depressão e desespero. É-lhes muito difícil acabar uma relação, por pior que ela seja.


NEGAÇÃO

Um dos motivos por que é tão difícil ultrapassar estas dificuldades prende-se com o facto de estas pessoas negarem a existência do problema. Muitas vezes atribuem as dificuldades a outra pessoa ou a outras situações. Das duas, uma: ou passam a vida a queixar-se de outra pessoa, ou a tentar ajudá-la (normalmente um membro da família). E o mesmo é válido quando as dificuldades atingem o foro profissional: ou se queixam do emprego que têm, ou saltam de emprego em emprego, sem reconhecerem o real problema. Na verdade, estão pouco habituados a reconhecer as suas próprias emoções, as suas verdadeiras necessidades, centrando-se em demasia nos outros. Negam as suas próprias vulnerabilidades e a necessidade que têm de afeto e intimidade.


Em resumo, um codependente é alguém que vive muito condicionado pelo MEDO.

… de ser julgado.
… de ser rejeitado ou abandonado.
… de cometer erros.
… de ser um fracasso
… de estar numa relação emocionalmente íntima.
… de estar sozinho.


A Psicoterapia é muito útil para estes casos, desde que a pessoa esteja disposta a reconhecer as suas dificuldades e a implementar mudanças. Se é verdade que os sintomas de codependência são comprometedores do bem-estar e do desenvolvimento de relações emocionalmente seguras, também é certo que TODAS estas consequências são reversíveis.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...